Cabine de Imprensa – “Na Ponta” (On the Edge) – 115 min


 


“Aqueles que estão livres do ressentimento, certamente encontrarão paz.”

(Buda)

“A crise é uma professora que nos faz sair do superficial e olhar para o essencial.”

(Gisela Vallin)

 

Um domo. Estamos nas semifinais do Campeonato de Esgrima na Rússia. Esgrima feminina é um balé com uma arma na mão. Porém, a nova sensação da esgrima russa é mais rápida e incisiva que todas as outras atletas. Ela faz de sua intensidade sua maior e única arma. Desse jeito, muitas feridas podem ocorrer. Seu nome é Kira Egorova e passa a ser conhecida como a “Pantera Russa”. Ela vence e vai para a almejada final onde enfrentará a líder da equipe.

Alexandra Pokrovskaya, Sanya, é lendária: tem 34 anos, é campeã mundial e européia, só não realizou ainda o seu grande sonho de conquistar a medalha de ouro olímpica. Sua derradeira oportunidade será nas próximas Olimpíadas. Sanya é extremamente técnica e determinada. E quer vencer com honra.

Kira e Sanya lutam. A princípio a novata leva a melhor: é veloz e sua fome de vitórias é um motor avassalador. Alexandra vira o placar e sai milagrosamente vitoriosa - a experiência triunfou sobre a juventude. Egorova se recusa a apertar a mão de Pokrovskaya. Trocam farpas no pódio. A competitividade entre as duas atravessa os momentos mais fortes do filme. Esse início é como se fosse uma “palinha” do que se pode esperar do restante de “Na Ponta”.

As histórias de vida das duas correm paralelas. Uma é casada e se dedica aos treinos com afinco e responsabilidade. Vive a angústia da proximidade do fim de sua vida esportiva, pois sua aposentadoria está cada vez mais próxima. A outra é um felino feroz que praticamente está em guerra com tudo e todos. “Teve um momento que ela apenas começou a me matar, golpe após golpe. Golpe após golpe.” Egos inflados quando a rivalidade fica acirrada. Egos inflamados quando elas partem para o pau.

Mas a vida reserva surpresas para ambas. Um “acidente” de luta ameaça a continuidade da carreira da impetuosa jovem. Kira está diante de uma lição de humildade que ela não esperava. Pokrovskaya se vê na contingência de realmente, pela primeira vez, assumir todo potencial de sua condição de líder da equipe. Terá que se confrontar com Gavrilov, o treinador da equipe de esgrima, que tem uma visão dura e autoritária do esporte. “Se você não mata, você é morta”, ele diz. Como se vê, mais filosofia na sarjeta.

A questão de Sanya é um apelo ético: como vencer e manter a dignidade. Não se trata de uma guerra, mas de um certame esportivo. Os recentes filmes russos parecem estar atirando o tempo toda contra resquícios pesados da velha Rússia e vícios terríveis da nova. É como se dissessem: menos sarjeta, mais filosofia.

 

Na Ponta” (On the Edge) – Rússia – 2020 – 115 min

Direção: Eduard Bordukov

Música: Oleg Belov e Dmitry Emelyanov

Cinematógrafo: Mikhail Milashin

Projetista de produção: Denis Isayev

Figurinista: Nadine Dey

Maquiador: Alexei Klimov

Som: Alexander Fedenev

Edição: Alexander Koshelev

Produtor executivo: Irina Medvedeva

Produtores: Elena Glickman e Mikhail Degtyar

Elenco:  Svetlana Hodchenkova – Stasya Miloslavskaya – Sergei Puskepalis – Alexei Barabash – Kirill Degtyar – Evgeny Sytiy – Sophia Ernst – Hilda Carmen – Kristina Kucherenko  - Eduard Bordukov – Alexnadar Egorov – Mikhail Kakuberin – Anton Sheenson – Anna Sobolevskaya – Igor Gordanik

 

 Marco Guayba

Ator, diretor, preparador de elenco e Mestre em Letras

 

My Instagram

Copyright © Desconexão Leitura. Designed by OddThemes