"O ESPIGÃO", de Gabriel Morais, em temporada ao vivo e online de 18 a 28 de março - espetáculo pesquisa autoficção e masculinidades

 Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc

 

apresentam

 

O ESPIGÃO




 

Espetáculo de Gabriel Morais visita memórias e invenções de um drama familiar numa tentativa de reelaborar sua história

 

Montagem, ao vivo e gratuita, tem temporada de 18 a 28/3 pelo Zoom

Sessão em libras e debates: 21 e 28 de março


Um acerto de contas entre irmãos 12 anos depois de um acontecimento divisor de águas em suas histórias. Esse é o ponto de partida de “O Espigão”, espetáculo ao vivo e gratuito que será apresentado de 18 a 28 de março (de quinta a sábado, às 20h, e domingo, às 19h) pelo Zoom. Em cena, o ator Gabriel Morais recebe o público na sala virtual para visitar as memórias e as invenções de uma experiência dolorosa numa tentativa de reelaborar o que viveu. O projeto foi contemplado pelo Edital Retomada Cultural por meio da Lei Aldir Blanc e tem direção de Natasha Corbelino, direção de arte de Júlia Deccache e iluminação de Livs Ataíde. Os ingressos, gratuitos, devem ser retirados no site da Sympla (bit.ly/ingresso_Espigao). Após a temporada, o espetáculo ficará disponível no YouTube (bit.ly/oespigao).

 

Foi da necessidade de contar um drama familiar que o espetáculo nasceu. A narrativa é sobre um irmão e uma irmã que se apaixonam pela mesma mulher. Após mais de uma década de mágoas, eles finalmente conversam, preenchendo lacunas e lançando novos olhares sobre a história. Escrito por Gabriel Morais a partir de uma oficina ministrada pelo dramaturgo português Jorge Louraço, “O Espigão” lança olhar para questões de gênero, família, homofobia e pressão heteronormativa: Como um jovem, de 18 anos, lida ao ver sua primeira namorada o trocar pela sua irmã mais nova? Como vencer a ferida sofrida no ego heterossexual? Com quem conversar? É permitido ao homem falar sobre suas dores, sobre os danos causados pela ordem heterossexual? Essas e outras questões são levantadas em cena, enquanto Gabriel narra sua história, mostra fotos, lê trechos de cartas, acende um incenso, bebe vinho e brinda com a plateia.

 

O espetáculo é atravessado pelas experiências pessoais e pelas pesquisas realizadas na universidade pública por Gabriel Morais e Mariah Miguel, sua parceira de cena. Ator formado pelo Teatro Universitário da UFMG e diretor teatral graduado pela UFRJ, Gabriel investiga o teatro autoficcional desde a iniciação científica, investigação esta que se estendeu ao mestrado no Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena (PPGAC) na UFRJ, e, hoje, no doutorado no mesmo programa, orientado pela professora doutora Gabriela Lírio, pesquisa autoficção e masculinidades.

 

“O Espigão” é apresentado, também, pela ótica da irmã, que ganha vida por meio de Mariah Miguel. Como lidar, aos 14 anos, com a descoberta de uma sexualidade não heterossexual em uma idade que não se sabe direito como nomear o que se sente? O que fazer com a raiva de sentir o que não “deveria” estar sentindo? Como lidar com o sentimento de não se encaixar numa sociedade patriarcal, machista, heteronormativa e sexista? Com quem conversar?” Sapatona, diretora teatral, atriz e performer, Maria é formada em Artes Cênicas pela UFRJ e mestranda em Artes da Cena do PPGAC-UFRJ. Atualmente desenvolve a pesquisa “COM TODA FORÇA”, orientada pela professora doutora Eleonora Fabião, na qual investiga como a arte da performance contribui para o fortalecimento da vida.

 

“O Espigão é o encontro de memórias, esquecimentos e imaginações em que uma narrativa se junta a uma nova perspectiva, para reinventar esse momento anterior de desvio inesperado do sentido da vida”, explica Gabriel. “Reuni minhas memórias com as da minha irmã, que também foi escrevendo, revendo fotos, cartas e outras lembranças. A dramaturgia tem tanto a minha memória quanto a da minha irmã. E também as da Mariah, que coloca sua camada de mulher sapatão. Nossas histórias se embaralham. Colocamos tudo isso em cena e ficcionalizamos. É um espetáculo de muitas camadas e que levanta questões sobre gênero, sexualidade, família, pressão heteronormativa”, conta Gabriel Morais.

 

FICHA TÉCNICA:

Concepção: Gabriel Morais e Mariah Miguel

Direção: Natasha Corbelino

Dramaturgia: Gabriel Morais

Atuação: Gabriel Morais e Mariah Miguel

Direção de arte: Júlia Deccache 

Iluminadora: Livs Ataíde

Direção de produção: Tamires Nascimento - Tem Dendê! Produções

Operação de Zoom/Ass. de produção: Beatriz Medeiros

Arte gráfica: Davi Palmeira (A4)

Social mídia: Marília Gurgel

Assessoria de imprensa: Catharina Rocha | Máquina de Escrever Comunicação

 

 

“O ESPIGÃO”

Temporada: de 18 a 28 de março no Zoom

Apresentações: de quinta a sábado, às 20h, e domingo, às 19h.

Sessões em Libras e debates: dias 21 e 28 de março.

Ingressos gratuitos: retirada na Sylmpla (bit.ly/ingresso_Espigao)

Duração: 55 minutos. Classificação indicativa: 14 anos.

Capacidade: 25 pessoas. Entrada franca. Instagram: @o_espigao

 

 

My Instagram

Copyright © Desconexão Leitura. Designed by OddThemes