[Séries] Pose – Season 2 Episode 6, 7 & 8





Pose: Pray Tell sis, spill the tea, sis.

Eu já nem sei mais como eu posso aclamar Pose, agora que passamos da metade da temporada, alguns arcos começam a se fechar, enquanto outros vão se abrindo.

Os episódios 6, 7 e 8 estão juntos pelo fato de que todos eles dão um grande destaque para um dos personagens mais queridos da série, Pray Tell. Pray sempre é destaque quando aparece e a gente vive por isso, mas esses episódios são mais focados no surto do HIV da época. No episódio 6 temos o show beneficente para arrecadar dinheiro, no 7 vemos o protesto sobre a importância do uso de camisinha para a prevenção e no 8 a aproximação de Pray Tell e Damon, que descobre que também foi infectado pelo vírus.

Esses episódios tem uma importância tão grande para o desenvolvimento de todos os personagens da série, dos poderosos protagonistas, aos aleatórios coadjuvantes.

Tina Mabry, Jennie Livingston e Steven Canals são respectivamente os diretores dos episódios 6, 7 e 8. Enquanto Ryan e Brad estão com o roteiro. O roteiro como sempre está incrível, a introdução dos plots nos episódios 6 e 8 são astutas e necessárias. Os diálogos estão mais firmes e estruturados do que nunca, no episódio 8 então, é uma verdadeira obra de arte. Já a direção não é tão bem sucedida como o roteiro, pelo menos não todas elas. Tina traz a direção mais fraca da temporada no episódio 6, ele é lento e apesar de da metade por final ter ganhado mais vida, ele em comparação com os outros acaba sendo inferior. Já Jennie e Steven fazem um ótimo trabalho que se encaixa perfeitamente com o roteiro do episódio, ainda não é o melhor que tivemos nessa temporada, e na verdade eu acho difícil algo superar o episódio 4, mas ainda temos 2 episódios pela frente.

A atmosfera que a série está criando é muito diferente daquilo que a gente tava acostumado, o glamour está sendo deixado um pouco de lado para nos trazer algo mais real e pesado que era o fantasma da AIDS naquela época em Nova Iorque e tudo está voltado para isso nesses episódios. Temos uma fotografia mais sóbria e intimista e a trilha sonora mais carregada, um trabalho bem detalhista da produção artística.

Bom, e em relação ao elenco, eu já estou cansado de rasgar elogios para todos esses atores e atrizes maravilhosos que estão nessa série, mas em especial, levando em consideração o destaque nesses episódios, é impossível eu não falar de Billy Porter. Billy recentemente levou o Emmy de Melhor Ator em Série Dramática pela primeira temporada de Pose e cada vez mais eu acredito que isso irá se repetir no próximo ano, o trabalho de Billy nessa segunda temporada está impecável, as nuances, todas as fases desse personagem incrível que é o Pray Tell, vemos a vulnerabilidade e ao mesmo tempo a força dele, sendo o comandante dos Balls, tendo que transparecer a felicidade e energia, mesmo tendo tantos problemas pessoais, nesses três episódios tivemos o ápice da atuação de Billy nessa segunda temporada, do episódio 6 ao 8, foi o show de Billy Porter, com destaque para as cenas no hospital e a briga na casa de Blanca, cenas diferentes, com tons diferentes e motivos diferentes, porém todas as com a maior precisão possível.

A segunda temporada já está chegando em sua reta final, e enquanto a primeira temporada foi de certa forma esnobada nas premiações, eu espero e peço para que isso não aconteça com a segunda temporada, Pose é uma série necessária e de qualidade, que merece muito mais reconhecimento e aclamação do que tem atualmente.


Escrito por Daniel Gomes.

My Instagram

Copyright © Desconexão Leitura. Designed by OddThemes