Crítica: Parasita




Parasita: Do diretor do original Netflix “OKJA”, Parasita é uma das coisas mais geniais produzidas neste ano.

Dirigido e escrito por Bong Joon-ho, Parasita conta a história de uma família pobre que tem um grande interesse em mudar de vida e sendo assim eles criam um plano para se infiltrar na casa de uma família rica e famosa, os Parks, porém eles se pegam muito envolvidos com a casa e seus problemas e isso os leva para um lugar muito perigoso e inesperado que não estava no plano.

O filme começa como uma simples comédia dramática e termina como um thiller intenso. O cinema coreano tem produzido coisas magníficas nesses últimos tempos, mas eu me arrisco a dizer que Parasita é a melhor produção até então, já é um dos melhores filmes, se não o melhor, desse ano.

O filme cria uma atmosfera muito interessante e como ele vai se desenrolando e te surpreendendo cada vez mais, eu assisti o filme sem saber nada sobre ele e cheguei ao final completamente estagnado. Apesar dos inúmeros plot twists que acontecem, o filme não se torna previsível, ele nos mostra várias nuances e de uma forma muito bem estruturada.

A direção e roteiro de Bong Joon-ho é espetacular, a direção é uma das melhores coisas do filme, vemos isso presente em todo o filme, o controle, a delicadeza com todos os detalhes e o roteiro é magnífico, a narrativa da história, a forma como os elementos são introduzidos, todo o clímax do filme. É um trabalho tão perfeito que vemos e entendemos tudo o que o diretor quer nos passar, todo o conceito principal do filme do começo ao fim. Um roteiro bem estruturado, uma direção firme e uma produção quase perfeita.

E ainda temos as atuações e toda a parte mais técnica do filme. No elenco temos basicamente 6 atores principais e 3 coadjuvantes e digo com tranquilidade que todas as performances são incríveis e nenhuma delas caí nos clichês característicos dos personagens, além das reviravoltas que temos que nos fazem ver os personagens com outros olhos e a performance nos passa essa verdade, é incrível.

Tendo que destacar apenas 3, eu escolho Kang-ho Song, Woo-sik Choi e So-dam Park. Woo e So-dam já te conquistam desde que o filme começa, já Kang é uma grande surpresa, pois o personagem dele parece que só está ali para preencher o espaço e depois se torna o personagem chave pro desenvolvimento do filme, além de ser importantíssimo e fundamental para o terceiro ato do longa. E todas as performances são dignas de indicações e prêmios.

Trilha sonora e fotografia são simples, mas certeiras complementam muito bem a estética e conceito do filme, design de produção e edição beiram a perfeição, assim como basicamente tudo nesse filme.

Parasita é sem dúvidas um dos melhores filmes do ano e não sou apenas eu que digo isso, o filme tem uma aprovação 100% no Rotten Tomatoes e 89 pontos no Metacritic, além de ter ganho o Palma de Ouro em Cannes. O filme trás algo inovador, inesperado que prende sua atenção e te deixa imobilizado depois que acaba, mais um trabalho genial do cinema coreano.

Escrito por Daniel Gomes.

My Instagram

Copyright © Desconexão Leitura. Designed by OddThemes