Por Trás do Som: Rico Dalasam – Uma bicha preta representando a comunidade LGBT no Rap brasileiro

rico dalasam 2.jpeg



Jefferson Ricardo da Silva, mais conhecido como Rico Dalasam uma bicha preta de Taboão da Serra de São Paulo que nasceu no dia 22 de julho de 1989. Rico Dalasam é um rapper, compositor e cantor. Dalasam é um acrônimo da frase “Disponho armas libertárias a sonhos antes mutilados". Ele é um representante da comunidade LGBT no intitulado no queer rap e tem influência musicais nos artistas de Rick James, Prince e André 3000. 

Seu primeiro single “Aceita-c” fala sobre sua aceitação a sua homossexualidade e destaca-se também outro single “Não posso esperar” que tem um clipe em Nova York com a comunidade LGBT e fala de não esperar de amar e aceitar como se é. Esses dois singles são oriundos do seu primeiro EP intitulado de “Modo Diverso”.
rico_dalasam1.jpg



Nessa era os conhecemos como um artista que se destaca com suas mudanças de visual que fica marcante em cada single em que ele vai lançando, se firmando como um gay fora dos padrões exigidos pela sociedade tradicional e isso torna a marca dele além da sua ousadia musical com o rap.

Ele também lançou um single como uma forma de expressar a violência de ser negro no Brasil e também elevar a autoestima da comunidade negra com “Paz, coroas e tronos” – com seu refrão “(...) Nada poderá/Tornar-nos menos pretos que somos: Paz, coroas e tronos” – que os negros são ancestrais de reis e rainhas e que devem se orgulhar disso.

Em 2016 Rico lançou seu álbum “Orgunga”- cujo o título tem referência ás palavras “orgulho, negro e gay”- com seu single de estreia “Fogo em mim” com a comunidade LGBT negra sendo representada e tem participação como figurante da Gloria Groove.

rico dalasam 4.png


Rico Dalasam foi um dos compositores e cantor do hit de carnaval com a Pabllo Vittar a música “Todo Dia”. A música que está fora das plataformas digitais, também o clipe do You Tube foi removido e teve a proibição de tocar nas rádios e dos dois artistas cantarem devido um problema de acordos contratuais que foi a justiça, na época virou uma polêmica que prejudicou o Rico Dalasam, pois somente ele falou sobre o assunto e a produção da Pabllo ou ela própria ficou quieta sobre o assunto.

Não podemos esquecer-nos de sua participação em uma das músicas do rapper Emicida “Mandume”, onde contaram também com participações de outras rappers como Drik Barbosa, Amiri, Muzzike e Raphão. O Vídeo Clipe é bem produzido e da destaque a cada rapper e a comunidade negra e alcançou mais de 4 milhões de visualizações.

 
rico dalasam 5.png


A música “Procure” lançada em dezembro em 2016, teve um destaque e ganhou um minifilme no inicio de 2019, onde a história é um atormentado amante homossexual tentando lidar com o remorso de uma grande traição. O vídeo clipe é bem produzido e com a música que é bem produzida vira trilha sonora do minifilme.

Recentemente ele lançou dois singles intitulados “Braile” e “Olho Mágico” produzido os vídeos clipes pela Horizontes produções. As músicas tiveram participação em “Braile” de Dinho a música fala sobre amor inter-racial e “Olho Mágico” de Hurso & BetoCoelho, uma música experimental, bem representado no vídeo clipe com sua simplicidade e com o Rico Dalasam usando expressão corporal pra mostrar a sua diversidade como artista.

Tata Boeta

Graduando em Produção Cultura, roteirista, 
ator, diretor de teatro/performance, compositor, poeta e bailarino.



My Instagram

Copyright © Desconexão Leitura. Designed by OddThemes