[Críticas] X-Men: Fênix Negra: O Fim da saga dos mutantes sobre o domínio da FOX.







Se você estava esperando uma boa adaptação do arco da fênix negra, acho que você pode diminuir suas expectativas para esse filme. Porém, se você está de mente aberta para um filme de super-herói com um visual, que apesar de ter seus defeitos, funciona bem, então você pode até aproveitar a sessão desse projeto que é o ultimo da família mutante sobre o domínio dos estúdios FOX.

"X-Men: Fênix Negra", de Simon Kinberg, o último episódio da franquia dos mutantes no cinema, trazendo a ameaça mais poderosa que os heróis já enfrentaram: o lado sombrio de Jean Grey (Sophie Turner). Parcialmente baseado nas HQs de Chris Claremont e John Byrne, a trama remonta ao ano de 1992, onde logo após sobreviver a uma explosão durante uma missão de resgate espacial, a personagem de Turner entra em colapso com o ser que habita em seu interior.

Começo a análise desse filme dizendo que é um filme dos X-Men, então esse será meu padrão de avaliação. Dito isso, acho que esse não é um dos piores filmes da franquia que já teve muitas derrotas ao longo desses anos. O filme se enquadra como o quarto melhor de todos da saga ficando atrás de X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, Logan e X-2, o que é um grande avanço se comparado ao filme onde vimos a equipe de heróis junta pela última vez, Apocalipse (Não estou contando com Deadpool 2, pois a aparição foi de segundos).

As atuações de Michael Fassbender e James McAvoy já não precisam provar mais nada para ninguém, mas mesmo assim ainda brilham durante suas cenas, apresentando ainda um novo lado de cada um deles que ainda não era conhecido. Kodi Smith –McPhee, Tye Sheridan e Evan Peters ainda convencem em seus papéis, apesar de não serem os melhores. Já o destaque fica todo para o elenco feminino do filme, que está realmente potente. Sophie Turner se saiu uma ótima Jean Grey do início ao fim do filme, Alexandra Shipp foi uma excelente escolha para o papel de tempestade e continua a provar isso nesse filme, Jessica Chastain agrega muito valor ao filme com sua atuação quase que impecável e Jennifer Lawrence ainda que não seja a favorita, também possui seus momentos de glória nesse filme. 



[ALERTA SPOILER: PULE ESSE PARAGRAFO SE NÃO DESEJA LER NENHUM SPOILER]

Finalmente vemos uma Mística que não temos visto desde Dias de Um Futuro Esquecido, que já não aguenta mais o falso moralismo de Charles e quer sair do instituto o mais rápido possível para ser uma mutante livre. Ela se empoe sobre ele e não abaixa a cabeça, faz o que acha que tem que ser feito e como acha que tem que ser feito, mesmo que isso custe alguma coisa. Vemos também um outro lado do professor Xavier, no qual ele não é o certinho como muitos ainda achavam, o que me agradou bastante.

[VOLTE A LER A PARTIR DAQUI]

A trilha sonora com toda certeza é um dos pontos mais altos desse filme. Hans Zimmer fez um excelente trabalho ao nos apresentar as emoções através das músicas, nos fazendo até subir nas cadeiras em alguma horas de pura tensão e chorar nas de mais emoção do filme, que eu posso afirmar que tem algumas muito boas. Os efeitos também não ficam atrás, pois em sua maioria são de excelente qualidade e bem melhores do que alguns “outros” filmes de super-heróis, inclusive seu antecessor.

Mas infelizmente o roteiro não funciona tão bem assim, e deixa a desejar na maioria das cenas. Você tem a sensação de estar assistindo um “Vale A Pena Ver De Novo” cinematográfico, o que dificulta e muito a experiência do filme para o espectador mais apaixonado pela saga. Uma história que tinha tanto potencial chega às telonas (novamente) de forma frustrante, e afirma (afunda) o fim dessa saga de heróis.

O filme vale pela experiência de ver um arco de 20 anos se fechar, mas isso não basta para fazer o filme acontecer para quem está assistindo. Sem cenas de tirar o fôlego, nos despedimos de maneira triste da saga dos X-Men sobre os domínios da Fox e estamos ansiosos para ver o que o futuro reserva para os nossos mutantes no MCU (Universo Cinematográfico da Marvel), que com a compra da Fox pela Disney, possui agora os direitos de uso desses personagens. Um brinde a memória, um agradecimento pelas 2 décadas e um até logo em um novo “uniforme”!



FICHA TÉCNICA

Título original: Dark Phoenix
Nacionalidades: EUA, Canadá
Gênero: Ação, Aventura 
Ano de produção: 2019
Estreia: 06 de junho de 2019 (Brasil) 
Duração: 113 minutos
Classificação: 12 Anos  
Direção: Simon Kinberg
Roteiro: Simon Kinberg, Kevin Feige
Produção: Lauren Shuler Donner, Simon Kinberg, Hutch Parker
Trilha sonora: Hans Zimmer
Direção de fotografia: Mauro Fiore
Edição: Lee Smith 
Direção de Arte: Claude Paré
Estúdios: 20th Century Fox, Marvel Entertainment, Bad Hat Harry Productions, The Donners Company, Genre Films
Distribuição: Walt Disney Motion Pictures

   

Caio Luz 
Bacharelando em Produção Cultural, Ator e Crítico Cinematográfico.
Ig: @caioluz4

My Instagram

Copyright © Desconexão Leitura. Designed by OddThemes