[Crítica]: Deslembro


Deslembro



Sinopse: Joana é uma adolescente que se alimenta de literatura e rock. Ela mora em Paris com a família quando a anistia é decretada no Brasil. De um dia para o outro, e à sua revelia, organiza-se a volta para o país do qual mal se lembra. No Rio de Janeiro, cidade onde nasceu e onde seu pai desapareceu nos porões do DOPS, seu passado ressurge. Nem tudo é real, nem tudo é imaginação, mas ao "lembrar", Joana inscreve sua própria história no presente, na primeira pessoa.

Ao final dos regimes militares aqui na América Latina, mais precisamente, antes da ditadura militar terminar e logo depois da Anistia é nesse período que o filme ocorre e apresenta a história de uma adolescente (Joana - Jeane Boudier) que nasceu no Brasil, mais viveu boa parte da sua vida na França. Em alguns trechos do filme se evidência a falta do Pai, que desapareceu nos porões "DOPS" que faziam torturavam e as pessoas na ditadura militar.

O filme tem como ponto forte a expressão da história da ditadura militar, não somente brasileira, mas de toda a América Latina. O que difere esse filme de outros sobre o mesmo assunto, é a sua visão ampla das lutas do regime militar, não se prendendo a barreiras geográficas. Retrata de maneira emocional e profunda as dores e os confrontos da época e reforça os laços afetivos da família da personagem principal.
Através de uma abordagem poética e melodramática, Joana tem flashbacks de acontecimentos distantes que ecoam remotamente em sua memória. Tal abordagem contribui para a estética da obra e fortalece os laços emocionais entre o telespectador e a história em questão.

O nome do filme (Deslembro) sugere uma relação de constraste com a mensagem principal intrínseca presente na obra. Todos os esforços da personagem principalmente e de toda a sua família para superar as dores e o emocional traumatizado, apenas reforça que a história precisa ser lembrada. A consciência histórica e social mostra-se essencial para conhecer e entender a história de um povo. Conhecer e respeitar sua história é conhecer a si mesmo e validar sua identidade enquanto ser humano.

Opinião da diretora Flavia Castro:

"Eu queria falar de memória, não especificamente a minha, mas do contexto no qual eu cresci. A vida da Joana não é a minha, mesmo que eu tenha vivido muitas das situações pelas quais ela passa. Não queria fazer um filme de época. Queria algo um pouco atemporal, ainda que seja marcado pelas escolhas musicais desse tempo. O roteiro já deixava claro que não queria algo naturalista, nem uma reconstituição de época. A ideia geral foi ter uma atmosfera própria, construída em camadas", contou a diretora.




Ficha Técnica

Titulo Original: Deslembro
Nacionalidades: Brasil, França, Qatar
Gênero: Drama
Ano de Produção: 2018
Estréia: 20 de de Junho de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 36min
Classificação: 14 anos
Direção: Flávia Castro
Roteiro: Flávia Castro
Produção: Walter Salles, Maria Carlota Fernandes Bruno, Gisela Camara, Flávia Castro




Larissa Carvalho Oliveira
Resenhista, Colunista e Estudante em Pedagogia.
Instagram: larissacarv4

My Instagram

Copyright © Desconexão Leitura. Designed by OddThemes