06/04/2018

Resenha: Rose Madder - Stephen King

            Foto by Roselene Santos


Bom, não era isso que Rose Daniels esperava de sua vida quando se casou: ser surrada e controlada constantemente pelo marido, não só violento, mas sádico, perigoso e policial. Ou seja, parecia que todas as peças estavam contra Rose, que foi deixando que o tempo passasse e vivendo como um autômato.

São quatorze anos de casados, até que uma simples gota de sangue no lençol, que deveria estar imaculado, a faz despertar. Como viver atemorizada por uma simples gota? Como deixara que quatorze anos de sua vida se esvaíssem pelos dedos?

É então que Rose resolve fugir, e a descrição de seus pensamentos obsessivos é tão angustiante, que o suspense que vivi até que ela conseguisse embarcar naquele maldito ônibus – sim, a sinopse já nos contou que ela consegue fugir – já valeu a leitura do livro. Por que, por mais que você saiba que ela vai fugir (maldita sinopse!) King consegue nos colocar em um tal estado de tensão, que é como se Norman estivesse ali, em nossos calcanhares.

Mas, é claro que Norman, o marido controlador e abusivo, não vai aceitar ser abandonado assim. Ele não fica apenas furioso, mas homicidamente (esta palavra existe?) enlouquecido com a audácia de Rose, em acreditar que haverá algum lugar no mundo em que possa se esconder de sua sede de vingança. E a caçada começa!


     Foto by Roselene Santos


Rose Madder tem um pouco de tudo: drama, suspense, thriller psicológico, indo do Real abusivo e sofrido vivido por Rose nas mãos de seu marido abusador, aos Surreal, quando esta compra um quadro que ... bom, acredito que deixarei a você, caro leitor, a tarefa de adentrar por estas páginas e descobrir.

O livro foi lançado em 1995 e, assim como outras obras de Stephen King, traz algumas referências à outros livros escritos pelo autor, como a personagem Misery Chastain das novelas de Paul Sheldon, do livro Misery que virou o filme “Louca Obsessão”; e para os Torremaníacos há duas referências neste livro à saga. Nele, tanto a Rosa do terreno baldio, como a cidade de Lud, que aparecerá em “As Terras devastadas” serão mencionadas então ... prestem atenção!

Se eu recomendo? Bom, sou suspeita, AMO os livros do Stephen King, por isso as vezes sou meio imparcial ... mas numa escala de 1 a 5, este com certeza levaria 5 estrelas sem nenhum esforço. Abraços e até a próxima!

Postar um comentário

Mais visitadas

Obrigada pela visita volte sempre!

Outras Postagens