26/02/2018

Resenha: O ladrão do tempo - John Boyne


Nesta trama, vamos conhecer as inúmeras vidas de Matthieu Zéla. Sim inúmeras. Não por que ele tenha de fato vivido inúmeras vidas, mas por que ele não envelhece, o que o faz viver um período muito superior ao de um ser humano normal, e viver um sem fim de  experiências.

Atualmente, ele é um dos donos de uma emissora de televisão, e tem de dar conta da eminente demissão de uma de suas melhores repórteres e com seu sobrinho Tommy, uma celebridade juvenil que vem demonstrando um preocupante envolvimento com uso de entorpecentes.

Bom, na verdade ... não fica tão preocupado assim. Afinal, essa é a sina dos DuMarqué: nenhuma deles nunca consegue ultrapassar os vinte e poucos anos, como se uma maldição tivesse sido lançada sob a família.

Voltando no passado, Matthieu era francês, e vivia com a mãe e o pai em Paris, até que este morreu assassinado. Depois disso, a mãe casou-se novamente com Philippe DuMarqué. Só que ele não era um bom marido nem padrasto. Frequentemente, espancava a mulher e enteado, até o dia em que passou dos limites e matou a esposa. A ultima coisa que Matthieu viu da França, foi o enforcamento do padrasto, indo embora com as roupas do corpo e o meio-irmão Tomas.

Foi no barco que pegou para Dover, que conheceu Dominique Sauvet, uma adolescente como ele – só contava com 15 anos quando empreendeu essa jornada. Só que ela era mais velha. E mais experiente. E, após uma noite passada juntos, passaram a morar e viajar juntos, apesar de nunca mais terem compartilhado da mesma cama após aquela noite.

Assim, no restante da narrativa, vamos acompanhar Matthieu com as alegrias e tragédias envolvendo seu primeiro amor, as diversas outras vidas que viveu ao longo de seus mais de duzentos anos, seus inúmeros casamentos e, principalmente, a morte trágica de muitos Tomas e Tommys DuMarqué.



Sua vida atual e a primeira delas, junto com seu meu irmão Tomas e Dominique, vai sendo contada aos poucos, ao longo do livro, recheada por diversas histórias paralelas de sua vida pelo mundo, realizações, mas também algumas tragédias, da construção de grandes museus, à Revolução Francesa e a perda de um dos Tomas para a Guilhotina.

Para mim, foi impossível tirar os olhos das páginas do livro.  John Boyle conseguiu construir uma narrativa cativante, com um ritmo absolutamente perfeito, fazendo com que todas as 560 páginas fossem prazerosas  e proveitosas.


As reflexões de Matthieu, seus erros e acertos, tornaram a obra – ao menos para mim – cativante! Recomendo! 
Postar um comentário

Mais visitadas

Obrigada pela visita volte sempre!

Outras Postagens