16/06/2017

#OuseAmar - Esse tal amor é doença?é de comer?






Quando penso na minha infância e relembro minha primeira experiência com o danado e famoso amor, acho engraçado, era tão puro e idealizado que poderia até mesmo virar um poema ou um conto.
Eu nem sabia ao certo o que era esse sentimento, na novela Chiquititas o Mosca gostava da Mili e ela dele, mas por que meus heróis da telenovela se apaixonaram?

Sinceramente eu não compreendia tudo isso, nem sabia o que era o dia dos namorados achava que era o dia do vermelho e de corações serem espalhados por aí a fora.

Minha família sempre incentivou que vivêssemos a nossa idade, nunca houve a pergunta você​ tem um namoradinho? Isso na época em que cursava o jardim de infância. Mas via meus amiguinhos falarem que namoravam com algum dos colegas de classe.

Claro que eu tinha os meus mini-crush que achava lindo e ficava encantada quando ele estava perto, ou será que não era encanto e sim amor? Pensando bem, aquela garotinha de 5 anos nem sabia o que ela sentia. Dava um friozinho na barriga, o coração dava um tranco de leve quando o amiguinho chegava perto. Só que a pequena inocente pensava que era o clima ou foi o susto da proximidade.

Sejam caridosos, o que aquela menina de 5 anos tinha? Vocês sabem?
Digam para ela, porque ela ainda está tentando entender....


Tudo era tão lindo, como a primeira vez que você ver uma caixa de música e pensa se a bailarina não se cansa de rodopiar.
Só que essa doce menina começo a notar que essas coisas só aconteciam quando o menino estava perto e que ela não gostou nenhum pouco que todo mundo disse que sua melhor amiga estava namorando com nada menos que o seu coleguinha predileto e naquele dia ela conheceu o ciúme sem saber. E descobriu que o amor também pode ser doloroso e egoísta.
É como a música de Djavan: "Um amor tão puro não saber a força que tem, meu amor eu juro sou seu e de mais ninguém..."

 Ela estava aprendendo com seu amor de infância a mais dura lição que seu inexperiente coração poderia vivenciar. Amar e não ser correspondida pelo ser amado.

Com seu amigo de jardim ela vivenciou seu amor de infância e entendeu o que é o amor.
Mesmo não correspondido, ele te faz ser mais vivo do que já é, te faz andar nas nuvens sem andar no céu e sonhar sem está em uma cama dormindo. Seja lá o motivo quando houve a criação fomos dotados com o dom de amar.

E mesmo o amor de infância pode virar seu amor para vida toda ou não a vida é incerta cabe a nós vivencia-la da melhor maneira que se possa viver.

Postar um comentário

Mais visitadas

Obrigada pela visita volte sempre!

Outras Postagens