11/10/2018

Crítica: filme Djon Africa, dirigido por Filipa Reis e João Miller Guerra. O longa é uma coprodução Brasil, Portugal e Cabo Verde, estreia dia 11 de Outubro

by on 15:00


O filme retrata a busca de um jovem negro de 25 anos que mora em Portugal pela sua origem africana, o que torna o longa-metragem interessante e intrigante, o filme é de Filipa Reis e João Miller Guerra.

O protagonista no filme não se resume somente na busca do seu pai, revelado pela sua avó com quem vive em Portugal, onde ela conta a história e onde seu pai está provavelmente localizado na África, mas também de sua ancestralidade em uma terra que para ele é desconhecida.



Miguel ou John Tibars Africa Noventaz, personagem ficcional que se mistura com seu interprete Miguel Moreira, é um personagem imaturo, ingênuo, malandro que é apresentado de forma carinhosa sua vida cotidiana e sua busca pelo seu pai em Cabo Verde – África. O filme é todo voltado no personaguem principal e suas aventuras cotidianas em Portugal e logo após a sua ida a Cabo Verde, onde a cada bairro ele vai descobrindo um pouco da sua ancestralidade  e informações sobre seu pai.
Miguel é visto como um turista pelos cabo verdianos, e isso causa conflito interno nele, pois para o personagem ele se identifica como africano, mas na visão dos africanos ele é um negro em diáspora. Isso não é difícil de imaginar com um afro-brasileiro que pode sofrer esse mesmo conflito caso fosse a algum país da África..





Quando chega a Cabo Verde ele vai à busca de pistas sobre seu pai, ele descobre uma bebida bem popular em Cabo Verde que é grogue, que passa em muitos momentos do filme. Essa bebida traz no filme um pouco de fantasia de forma natural no decorrer do filme.

Sua busca em um lugar novo, também faz com que ele tenha reflexão sobre ele mesmo e tenha uma conexão variados cabo verdianos, fazendo que ele tenha um reconhecimento de si mesmo através do outro.

A observação turística se torna encantador para Miguel, e o desejo de pertencimento, questão exposta no filme, onde logo no começo onde Miguel se diz Cabo verdiano quanto português e usa a língua crioula para se legitimar como cidadão daquela terra. A sua adaptação se faz logo, já que no país de população majoritariamente negra como ele, inclusive ele mantém relações intimas com pessoas recém-conhecidas como mantinha em Portugal.




Djon Africa tem um tom de humor muito peculiar, que surge nas interações sociais do protagonista e quando o roteiro reforça a sua jornada interior, isolando na natureza, a narrativa é lenta não traz muito ritmo ao longo do filme. Cada composição de quadro é uma verdadeira pintura, seja através dos olhos com filtro do personagem principal (e dos próprios cineastas), seja integrando-o de maneiras tão belas quanto improváveis nos cenários cabo-verdianos.

As cores são quentíssimas e a linda negritude presente que conduz o filme, casando com uma diversidade da cultura cabo-verdiana, nos diálogos multilíngues e o personagens felizes e receptivos com Miguel.



Djon Africa é um longa- metragem que mostra de forma bonita e ingênua a busca da ancestralidade de um jovem negro que no primeiro momento foi em busca de seu pai em Cabo Verde. Um filme que nos faz pensar muitas questões sobre negritude, o pertencimento, identidade e sobre a África através de Cabo Verde.


Ficha Técnica:

Produção: Terratreme Filmes, Desvia Filmes, Oll, Uma Pedra no Sapato
Elenco: Miguel Moreira, Isabel Cardoso, Bitori, Patricia Soso
Direção: Joao Miller Guerra, Filipa Reis
Roteiro: Pedro Pinho
Ano: 2018
Duração: 96 min
Gênero: Ficção

Países de origem: Brasil, Portugal e Cabo Verde
Classificação: 12 anos




Tata Boeta
Graduando em Produção Cultura, roteirista, ator, diretor de teatro/performance, compositor, poeta  e bailarino.



ACESSE TAMBÉM NOSSAS REDES SOCIAIS:


                                                     FACEBOOK: Desconexão Leitura




05/10/2018

Programação CCBB Rio 29 anos! Outubro 2018

by on 09:00



PROGRAMAÇÃO 
Outubro 2018 - CCBB Rio 29 anos

No mês em que o CCBB Rio celebra 29 anos, entram em cartaz a exposição do ícone da arte urbana Jean-Michel Basquiat (12), a retrospectiva do cineasta francês Philippe Garrel (17) e o espetáculo A última Aventura é a Morte da companhia de teatro PeQuod (24). O projeto Madrugada no Centro está de volta com show do Marcelo D2 (11), assim como a o festival de cinema Cineesport (25), que chega à sua terceira edição. Na sexta, 12, dia do aniversário do CCBB Rio, toda a programação do centro cultural é gratuita.

Aproveitando a data e o Dia das Crianças, o Programa CCBB Educativo irá oferecer atividades como contação de histórias, oficina e visitas mediadas patrimoniais. As crianças que estiverem visitando o prédio no dia 12 irão receber lanches no térreo e, as que visitarem a exposição do Basquiat, um brinde.

Para completar as comemorações, clientes Banco do Brasil terão desconto de 20% em livros infantis pré-selecionados, no dia 12, na Livraria da Travessa e 50% na Confeitaria Colombo, entre 8 e 14 de outubro, ambos mediante pagamento com cartão Ourocard.

Confira a seguir a programação completa do mês de outubro.

EXPOSIÇÃO

JEAN-MICHEL BASQUIAT
De 12/10/2018 a 07/01/2019
1ºandar
Exposição retrospectiva do Basquiat (1960-1988), inédita no país, com mais de 80 quadros, desenhos e gravuras. Ele desenvolveu um estilo novo e expressivo, e tornou-se um dos destaques da retomada da pintura figurativa na década de 1980. A obra personifica o caráter de Nova Iorque nos anos 70 e 80, quando a mistura de empolgação e decadência criou um paraíso de criatividade. As figuras poderosas que dominam a cena na obra do artista levam os críticos a classificá-lo como um Neoexpressionista, ao mesmo tempo em que está imerso na cultura pop.
Curadoria: Pieter Tjabbes

Classificação indicativa: livre

TEATRO

DIÁRIOS DO ABISMO
Até 05/11 – 19h
Teatro II – Quinta a segunda
"Em forma de relato autobiográfico, feito em grande parte durante o ano de 1959, a atriz Maria Padilha vai contando fatos determinantes da vida da escritora Maura Lopes Cançado durante suas internações em clínicas psiquiátricas".
Texto original: Maura Lopes Cançado; Adaptação: Pedro Brício; Direção: Sergio Módena; Elenco: Maria Padilha.
Duração: 60 minutos
Classificação indicativa: 16 anos

NAQUELE DIA VI VOCÊ SUMIR

Até 14/10 – 19h30
Teatro III – Quarta a domingo
A partir da obra “Eles eram muitos cavalos”, de Luiz Ruffato, a peça retrata um dia na vida dos habitantes de uma grande cidade marcada pela diversidade humana, formando um mosaico de gente de todos os lados do Brasil e todas as classes sociais. 
Criação e Direção: Areas Coletivo. Dramaturgia: Emanuel Aragão a partir da obra “Eles eram muitos cavalos” de Luiz Rufatto. Elenco: Camila Márdila, Giordano Castro, Liliane Rovaris, Miwa Yanagizawa e Pedro Wagner
Duração: 80 minutos
Classificação indicativa: 16 anos

A ÚLTIMA AVENTURA É A MORTE
24/10 a 16/12 – 19h30
Teatro III – Quarta a domingo
Mais recente criação da companhia PeQuod, a peça foi desenvolvida  a partir do poema Notícia 409, do dramaturgo alemão Heinner Müller.  A montagem, como os demais trabalhos que marcam a trajetória do grupo, busca dissolver fronteiras entre gêneros, estilos e purismos.
Texto: Heinner Müller; Direção: Miguel Vellinho, Coreografia: Duda Maia; Elenco: Carla Ferraz, Diego Dienner, Liliane Xavier,  Luiz Mello,  Mariana Fausto, Miguel Araujo, Raquel Botafogo.
Duração: 72 minutos
Classificação indicativa: 14 anos

MÚSICA

MADRUGADA NO CENTRO – CCBB 29 ANOS
11/10 – 22h
Área externa
Explorando a multiplicidade, a programação convida a Festa Transpira para abrir a noite e na sequência show especial de Marcelo D2. Destacam-se ainda, as apresentações de Hodari, além do Afrojazz em formação especial com o DJ Negralha.
Curadoria: Daniela Paita
Classificação indicativa: 18 anos

MÚSICA NO MUSEU

Quartas-feiras – 12h30
Sala 26 (4º andar)
O projeto tem por objetivo a formação de plateias e estimular a música de concerto, sendo realizado em diversos museus e centros culturais da cidade. Todas as quartas-feiras no CCBB. Consulte a programação em www.musicanomuseu.com.br
Curadoria: Sérgio da Costa e Silva
Classificação indicativa: livre

CINEMA

BUSTER KEATON – O MUNDO É UM CIRCO
Até 14/10
Cinema I - Quarta a segunda
Maior retrospectiva já feita no Brasil sobre a obra do ator, produtor, diretor e roteirista norte-americano, considerado pela crítica especializada um dos principais realizadores da história do cinema. A programação contempla os principais momentos de sua carreira, desde a fase inicial, na década de 1910, até os últimos trabalhos, já nos anos 1960. São quase 50 títulos no total, entre curtas e longas, mudos e falados, com ênfase na filmografia dos anos 1920, considerada sua fase de ouro, em que produzia, dirigia e atuava. Entre as atrações da mostra está a realização de 3 sessões com acompanhamento musical ao piano e a realização de curso, debate e aula magna.
Confira a programação no fôlder da mostra e no site bb.com.br/cultura
Curadoria: Diogo Cavour e Ruy Gardnier.
Classificação indicativa de acordo com o filme.

AS VEIAS ABERTAS DA MÚSICA BRASILEIRA ─ A SÉRIE VISCERAL BRASIL 
De 11 a 21/10
Cinema II - Quinta a domingo
Projeto temático, centrado no universo nacional da música de raiz. A série oferece ao público um recorte sonoro e imagético da pluralidade cultural brasileira por meio de nomes e cenários de todas as regiões do Brasil, com exibição integral da 1ª e 2ª temporadas, totalizando 26 episódios.
Confira a programação no fôlder da mostra e no site bb.com.br/cultura
Curadoria: Marcia Paraiso e Carla Joner.
Classificação indicativa de acordo com o filme.

O CINEMA INTERIOR DE PHILIPPE GARREL
De 17/10 a 05/11
Cinema I - Quarta a segunda
Retrospectiva mais completa do cineasta francês já realizada no Brasil. Sua obra, tributária da Nouvelle Vague e atravessada por uma dimensão autobiográfica, aborda a experiência da juventude de maio de 1968 e seus desdobramentos. Garrel continua a filmar em 35mm, formato que será privilegiado na mostra, enriquecida também pela projeção de filmes de cineastas com os quais ele dialogou.
Confira a programação no fôlder da mostra e no site bb.com.br/cultura
Curadoria: Maria Chiaretti e Mateus Araújo.
Classificação indicativa de acordo com o filme.

3º CINEESPORTE – FESTIVAL DE CINEMA DE ESPORTES
De 25 a 29/10
Cinema II - Quinta a segunda
A mostra chega à 3ª edição reafirmando-se como importante plataforma de exibição da cinematografia mundial de esporte. Os filmes selecionados expressam as principais abordagens, tendências e narrativas do gênero e integram o circuito mundial de festivais de cinema com temática esportiva, liderado pela FICTS- Federation Internationale Cinema Television Sportifs, com sede em Milão, Itália.
Confira a programação no fôlder da mostra e no site bb.com.br/cultura
Curadoria: Antonio Leal.
Classificação indicativa de acordo com o filme.


ATIVIDADES PERMANENTES

GALERIA DE VALORES
Quarta a segunda - 09 às 21h
Museu Banco do Brasil
Exposição de longa duração que apresenta a trajetória da moeda no Brasil e no mundo, com cerca de 2 mil peças do acervo numismático do Banco do Brasil.
Venha conhecer materiais curiosos que já foram ou continuam sendo usados como dinheiro!

Curadoria: Denise Mattar

O BANCO DO BRASIL E SUA HISTÓRIA
Quarta a segunda - 09 às 21h
Museu Banco do Brasil
Exposição de longa duração que apresenta a história do Banco do Brasil e sua contribuição para o desenvolvimento da sociedade e do país. As quatro salas, recentemente reabertas, com nova cenografia, mostram a linha do tempo de 1808 até os dias atuais, destacando os acervos museológico e arquivístico do Banco do Brasil. Outros três ambientes apresentam a sala do secretário, a sala do presidente e a biblioteca utilizadas pela Direção Geral do Banco do Brasil até a transferência da capital do Rio para Brasília, em 1960.
Curadoria: M’Baraká e CCBB Rio

ARQUIVO HISTÓRICO
Segunda e quarta a sexta - 10h às 19h
6º andar
Acervos arquivístico e audiovisual do Banco do Brasil e da Memória CCBB para pesquisa e consulta dos estudantes e público em geral. Atendimento com agendamento telefônico prévio no 3808-2353.

CCBB EDUCATIVO
Quarta a segunda – 09h às 21h
1º andar 

O programa Arte & Educação desenvolve ações que estimulam experiência, criação, investigação e reflexão para todos os públicos, garantindo acesso amplo e inclusivo ao patrimônio e sua diversidade. Agendamentos para grupos, escolas, instituições e pessoas com deficiência: agendamentorj@ccbbeducativo.com. Mais informações: contatorj@ccbbeducativo.com. Programação completa e inscrições em: ccbbeducativo.com

Destaque do mês: Semana da criança – 12 a 15 de outubro

Para comemorar o Dia da Criança e o Aniversário do BB e do CCBB, propomos uma série de atividades para crianças e suas famílias em diversos locais do prédio.

Dia 12 – 11h - Circo no Ato
Estacionamento e térreo

Dia 12 – 13h e 15h – Contação de histórias
Biblioteca infanto-juvenil – 5º andar

Dias 12 a 15 - de 11h às 13h e de 15h às 17h - Lugar de Criação: Oficina de máscaras
Programa Educativo – 1º andar
Convidamos as crianças a produzir máscaras inspiradas em elementos das obras do artista Jean-Michel Basquiat.

Dias 12 a 15 – 10h, 12h, 15h e 18h - Visitas Mediadas Patrimoniais
Programa Educativo – 1º andar. Cadastro 15 min antes de cada visita. Capacidade: 20 p.
Os educadores se juntam ao público para dialogar e compartilhar histórias e memórias do prédio do CCBB, além de conhecer melhor o Museu BB e a Galeria de Valores, no 4º andar.

SERVIÇOS

Confeitaria Colombo - Casa de chá 
2° andar
Novo espaço da Colombo, que traz em seu cardápio, os produtos que fazem parte da história da confeitaria, e um tradicional Chá da tarde que recebeu o nome do Centro Cultural. O chá CCBB é acompanhado de torrada Petrópolis, mel, geleia, bolo, doce, suco, pães e biscoitos leque, todos os produtos feitos na sede da casa centenária. 

Cafeteria Verso
Térreo

A cafeteria oferece opções de lanches doces e salgados para os visitantes durante todo o funcionamento do CCBB.

Livraria da Travessa
Térreo
É possível encontrar catálogos de mostras atuais e anteriores, além de centenas de títulos em livros nacionais, livros importados, eBooks, AudioBooks, DVDs e Blu-Rays.

Mais Informações
Centro Cultural Banco do Brasil
Rua Primeiro de Março, 66, Centro – Rio de Janeiro – RJ
Quarta a segunda, das 9h às 21h. *
Bilheteria: Quarta a segunda, das 9h às 21h.

* O CCBB Rio abre, excepcionalmente, às 12h, nos dias de votação (07/10 e 28/10, se houver segundo turno), para que os funcionários do prédio possam votar.

04/10/2018

Sucesso de público e de crítica, ‘Tropicalinha – Caetano e Gil para Crianças’ faz três apresentações, no Morro da Urca, dias 12, 13 e 14 de outubro

by on 16:44






Depois de Luiz Gonzaga, Braguinha e Milton Nascimento, o projeto Grandes Músicos para Pequenos 
homenageia os baianos Caetano Veloso e Gilberto Gil, expoentes da música brasileira e internacional,
em espetáculo para toda a família 

Com objetivo de homenagear e preservar a memória de grandes nomes da música popular brasileira, o premiado projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, criado pela Entre Entretenimento, apresenta seu quarto espetáculo: ‘Tropicalinha – Caetano e Gil para Crianças’. Depois de duas temporadas com casa cheia e elogios de público e crítica,  a peça chega ao Anfiteatro do Morro da Urca para três apresentações: dias 12, 13 e 14 de outubro. Com texto de Pedro Henrique Lopes, direção de Diego Morais e direção musical de Guilherme Borges, o musical infantil presta homenagem aos baianos Caetano Veloso e Gilberto Gil, dois ícones do movimento tropicalista e da música mundial, em uma história que enaltece a amizade e desperta o sentimento de responsabilidade social.
Depois de ‘Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças’, ‘O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças’ e ‘Bituca – Milton Nascimento para Crianças’, o projeto reúne, pela primeira vez, dois artistas em um mesmo musical. O espetáculo é apresentado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Companhia Caminho Aéreo do Pão de Açúcar, Atlântida Administradora de Imóveis e Logimex, através da Lei do ISS.
“Em Tropicalinha, mostramos como a amizade e parceria profissional entre dois músicos deu origem à criação de um movimento cultural que influenciou e influencia até hoje as mais diversas manifestações artísticas”, explica o autor Pedro Henrique Lopes, sócio da Entre Entretenimento ao lado de Diego Morais. “Dos espetáculos, este é o que mais brinca com as possibilidades teatrais. No sentido de conseguir subverter o enredo em tramas lúdicas, personagens mais fantásticos, exagerados, tudo no tom descontraído, fazendo um paralelo com algumas manifestações artísticas do período da Tropicália”, acrescenta Diego, lembrando que o disco ‘Tropicalia ou Panis et Circencis’, lançado em 1968 como um manifesto musical do movimento, completa cinco décadas este ano.
O espetáculo conta a história do Reino de Pindorama, governado por uma rainha autoritária (Martina Blink), que toma o poder e baixa decretos proibindo a música e as cores no lugar. Dois amigos, Cae (Pedro Henrique Lopes) e Gil (Orlando Caldeira), se unem para trazer sons e cores de volta ao reino, em alusão ao movimento tropicalista. Também estão no elenco, Flora Menezes (Pobo), Hamilton Dias (Lindoneia) e Rafael de Castro (Juca). O musical não é biográfico, mas é inspirado em momentos vividos por Caetano Veloso e Gilberto Gil na juventude. No repertório, estão 43 músicas (completas e/ou trechos) compostas por eles individualmente ou em parceria, entre elas TropicáliaForça estranhaAlegria, alegria,Vamos fugirAndar com féDivino MaravilhosoExpresso 2222 Você é linda.
“A partir de uma história divertida que se passa num reino fictício, falamos de como é importante o compromisso com a comunidade e da nossa participação na luta pelos direitos de um povo”, observa Diego Morais. “O repertório e bem vasto porque os dois artistas compuseram, cada um, mais de 600 músicas, e quisemos reunir músicas das mais diversas fases da carreira dos dois”, completa.
Grandes Músicos para Pequenos

Tropicalinha – Caetano e Gil para crianças é o quarto espetáculo do projeto “Grandes Músicos para Pequenos”, que nasceu em 2013 com o musicalLuiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças. Depois, vieram O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças, que estreou em 2016 e foi premiado em três categorias pelo CBTIJ –  Melhor Atriz em Papel Coadjuvante (Martina Blink), Direção de Produção (Entre Entretenimento) e Prêmio Especial pela qualidade do projeto (Diego Morais e Pedro Henrique Lopes) – e Bituca – Milton Nascimento para crianças, de 2017, vencedor do Prêmio CBTIJ de Melhor Ator (Udylê Procópio) e de quatro estatuetas no Prêmio Botequim Cultural: Melhor espetáculo infanto-juvenil, Melhor Direção (Diego Morais), Melhor Roteiro (Pedro Henrique Lopes) e Melhor Atriz Coadjuvante (Aline Carrocino). As três peças juntas já foram vistas por mais de 150 mil espectadores. O objetivo do Grandes Músicos para Pequenos é apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações e promover o resgate da cultura brasileira através de espetáculos que envolvam toda a família em experiências inesquecíveis.
“A ideia é trazer o legado de uma cultura quase esquecida para as novas gerações, com um conteúdo atraente para as famílias”, descreve Pedro Henrique Lopes, autor das peças do projeto. “Queremos criar experiências de entretenimento inesquecíveis e marcantes, onde o espectador participe de forma ativa”, explica o diretor Diego Morais.
Mais sobre o espetáculo e o projeto em: www.grandesmusicosparapequenos.com.br

Tijolinho e serviço:

12/10 a 14/10
Tropicalinha – Caetano e Gil para Crianças. Musical Infantil. De Pedro Henrique Lopes. Dir. Diego Morais. Dir. Musical Guilherme Borges. Com Pedro Henrique Lopes, Orlando Caldeira, Martina Blink, Rafael de Castro, Flora Menezes e Hamilton Dias. Dois amigos se unem para destronar uma rainha autoritária que proibiu a música no reino onde vivem. (55 min). Anfiteatro Morro da Urca. Avenida Pasteur, 520 – Urca – Rio de Janeiro – RJ. Tel.: (21) 2546-8433. Sexta a dom., às 11h. R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia). A viagem de Bondinho até o Morro da Urca está incluída no ingresso. Livre. Capacidade: 500 pessoas.

Ficha técnica:

Direção: Diego Morais
Direção Musical: Guilherme Borges
Texto: Pedro Henrique Lopes
Elenco: Pedro Henrique Lopes, Orlando Caldeira, Martina Blink, Rafael de Castro, Flora Menezes e Hamilton Dias.
Cenário e figurinos: Clívia Cohen
Iluminação: Tiago e Fernanda Mantovani
Visagismo: Vitor Martinez
Produção e realização: Entre Entretenimento



ACESSE TAMBÉM NOSSAS REDES SOCIAIS:
                                                                                                        FACEBOOK: Desconexão Leitura



01/10/2018

FESTU – Festival de Teatro Universitário anuncia os vencedores da oitava edição

by on 20:30


Os esquetes cariocas “Meus Cabelos de Baobá” e O Conjunto das Palavras e Expressões Arranjadas com Antecedência ou o Ato de Fazer Entrar” são os grandes vencedores do FESTU 2018

Com apresentação de Felipe Cabral e Julia Stockler, a noite de premiação aconteceu no Teatro Cesgranrio, no domingo, dia 23 de setembro

Caio Paduan, Cássia Kis, Cláudio Tovar, Flávio Marinho e Leandro Soares estavam entre os jurados da oitava edição do evento

O esquete “Meus Cabelos de Baobá” (RJ - UNIRIO) é o grande vencedor do 8º FESTU – Festival de Teatro Universitário. A montagem foi premiada em três categorias na Mostra Nacional Competitiva (Melhor Esquete, Melhor Texto Original e Melhor Atriz) e recebeu um patrocínio de R$ 30 mil para montar um espetáculo, que já tem sua participação garantida no Festival de Curitiba de 2019 e na Mostra de Espetáculos do 9º FESTU. Criado, escrito e interpretado por Fernanda Dias, o solo “Meus Cabelos de Baobá” começou a ganhar forma em 2015, quando a atriz retornou de uma temporada estudos na L'Ecole Des Sables, no Senegal. A montagem se baseia em textos de autoras negras, na cultura da oralidade africana e na riqueza da cultura afro-brasileira.

Com apresentação de Felipe Cabral e Julia Stockler, a cerimônia de premiação foi realizada no Teatro Cesgranrio, ontem à noite (23/9).Outro grande vencedor do FESTU é o esquete “O Conjunto das Palavras e Expressões Arranjadas com Antecedência ou o Ato de Fazer Entrar” (UNIRIO, UERJ, MARTINS PENNA E EMART). A montagem levou quatro prêmios: Melhor Direção e Iluminação (Aron Moraes), Melhor Figurino (Dora de Assis) e Melhor Esquete pelo Júri Popular. Por este último, recebeu um patrocínio de R$ 15 mil. 

Em 2018, Mostra Nacional Competitiva recebeu 244 esquetes (foram 152 em 2017)Desse total, foram escolhidos 119 de 11 estados e do Distrito Federal para participarem da banca, formada por Felipe Cabral e pelo professor Zé Luiz Rinaldi, da Universidade Candido Mendes. A dupla da comissão julgadora selecionou 27 esquetes de universidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Bahia.

Escolhidos por um júri formado por Caio Paduan, Cássia Kis, Cláudio Tovar, Felipe Storino, Flávio Marinho, Lavínia Bizzotto, Leandro Soares, Leopoldo Pacheco, Renato Machado, Sérgio Marimba, Tatá Lopes e Ulysses Cruz, os esquetes foram premiados em dez categorias, além do prêmio do Júri Popular: 

Vencedores do FESTU 2018:
Melhor Esquete: “Meus Cabelos de Baobá” (RJ - UNIRIO)
Melhor Esquete pelo Júri Popular:  O Conjunto das Palavras e Expressões Arranjadas com Antecedência ou o Ato de Fazer Entrar” (UNIRIO, UERJ, MARTINS PENNA E EMART)
Melhor Texto Original: Fernanda Dias, por “Meus Cabelos de Baobá” (RJ - UNIRIO)
Melhor Direção: Aron Moraes, por “O Conjunto das Palavras e Expressões Arranjadas com Antecedência ou o Ato de Fazer Entrar” (UNIRIO, UERJ, MARTINS PENNA E EMART)
Melhor Ator: Cássio Duque, por “Chamada a Cobrar” (RJ - UNIRIO)
Melhor Atriz: Fernanda Dias, por “Meus Cabelos de Baobá” (RJ - UNIRIO)
Melhor Cenografia: Arthur Langer, por "Abaixo das Coisas" (RJ - UFRJ, PUC e Tablado)
Melhor Iluminação: Aron Moraes, por “O Conjunto das Palavras e Expressões Arranjadas com Antecedência ou o Ato de Fazer Entrar” (UNIRIO, UERJ, MARTINS PENNA E EMART)
Melhor Direção de Movimento: Clara Troccoli e Lara Duarte, por “Represa” (RJ - Laura Alvim)
Melhor Trilha Sonora: Laura Cerqueira e Lucimélia Romão, por “Olha o Pesado aí” (MG - UFMG e UFSJ)
Melhor Figurino: Dora de Assis, por O Conjunto das Palavras e Expressões Arranjadas com Antecedência ou o Ato de Fazer Entrar” (UNIRIO, UERJ, MARTINS PENNA E EMART)

SOBRE O FESTU:
Em sete edições, o festival recebeu 2.408 inscrições de grupos de todo Brasil. O FESTU apresentou 185 esquetes e 32 espetáculos, tendo patrocinado 9 espetáculos e premiado 63 categorias. A cada ano, um novo júri é formado para julgar os projetos em competição. Já passaram 65 profissionais de artes cênicas pela comissão julgadora do FESTU. Entre eles, estão nomes como Marília Pêra, João Falcão, Jô Bilac, José Wilker, Otávio Augusto, Debora Lamm, Renata Mizrahi, Pedro Kosovski, Tonico Pereira, Gregório Duvivier, Victor Garcia Peralta, Deborah Colker, Lilia Cabral, Milton Gonçalves, Catarina Abdalla, Maria Carmem Barbosa e Jhonny Massaro.




ACESSE TAMBÉM NOSSAS REDES SOCIAIS:
                                                                                                        FACEBOOK: Desconexão Leitura

Programação CCBB SP Outubro 2018

by on 20:00


CCBB SP © Ignacio Aronovich


CINEMA

Monstros no Cinema

Local: Cinema

Até 1º de outubro

A mostra faz um apanhado dos filmes de monstros que tanto aterrorizam e encantam o público no mundo inteiro. Essa retrospectiva reúne os principais títulos já produzidos, entre vários estilos, períodos, nacionalidades, incluindo até filmes realizados no Brasil. Indo do clássico O Golem, passando por Drácula, Frankenstein, Godzilla, Alien, O Vingador Tóxico, Gremlins, Mar Negro até o mais recente vencedor do Oscar, A Forma da Água.

Entrada franca, mediante retirada de senha 1 hora antes do início da sessão.

Confira a programação completa no fôlder da mostra.

Classificação Indicativa de acordo com o filme.


Mostra de Cinema Tcheco  Eslovaco

Local: Cinema

3 a 8 de outubro

Em comemoração ao centenário da fundação da Tchecoslováquia e os 50 anos da Primavera de Praga, a Embaixada da República Eslovaca em Brasília e o Consulado Geral da República Tcheca em São Paulo apresentam uma mostra da cinematografia tcheca e eslovaca dos últimos 20 anos. Além de todos os filmes serem elaborados por diretores da mais recente geração de cineastas dos países, a seleção apresenta temas sensíveis: o envolvimento de aviadores tchecos na Segunda Guerra Mundial, a possibilidade de perdoar, as práticas de doping no mundo do esporte profissional na Tchecoslováquia dos anos 1980, a imigração, a preservação da dignidade humana num Estado totalitário, o preço pago pelos opositores ao regime, a procura de métodos alternativos na medicina atual, o relacionamento conturbado entre um pai e uma filha, e o poder de manipulação da mídia.

Entrada franca, mediante retirada de senha 1 hora antes do início da sessão.

Confira a programação completa no fôlder da mostra.

Classificação Indicativa de acordo com o filme.



Buster Keaton – O Mundo é um Circo


Local: Cinema

11 de outubro a 5 de novembro

Retrospectiva da obra do ator, produtor, diretor e roteirista norte-americano Buster Keaton (1895-1966), considerado pela crítica especializada um dos principais realizadores da história do cinema. A programação contempla os principais momentos de sua carreira, desde a fase inicial, na década de 1910, quando atuava como coadjuvante do comediante Roscoe 'Fatty' Arbuckle, até os últimos trabalhos, já perto de sua morte. São quase 50 títulos no total, entre curtas e longas, mudos e falados, com ênfase na filmografia dos anos 1920. Entre as atrações da mostra está a realização de 3 sessões com acompanhamento musical ao piano, um curso com duração de 3 dias, um debate e uma aula magna.

Confira a programação completa no fôlder da mostra.

Classificação Indicativa de acordo com o filme.


EXPOSIÇÃO


100 anos de Athos Bulcão

Local: térreo, 1º, 2º, 3º e 4º andares

Até 15 de outubro

9h às 21h

A exposição celebra o centenário de Athos Bulcão, conhecido pela diversidade de sua obra e inegável importância histórica e cultural. A mostra apresenta mais de 300 obras, incluindo trabalhos inéditos, que tornam possível visualizar seu caminho no Brasil e exterior, desde sua inspiração inicial pela azulejaria portuguesa, seu aprendizado sobre utilização das cores de quando foi assistente de Portinari, até as duradouras e geniais parcerias com Niemeyer e João Filgueiras Lima. Curadoria de Marília Panitz e André Severo. Patrocínio: BBDTVM. 
Classificação indicativa: livre.

Entrada franca.

Visitação com hora agendada
Opção de visitação com hora agendada pelo aplicativo “Eventim” (Apple Store e Google Play) e em culturabancodobrasil.com.br ou na bilheteria do CCBB, mediante disponibilidade.


Esquinas que me atravessam

Local: Subsolo

Até 22 de outubro de 2018

9h às 21h

Nessa exposição individual, Rodrigo Sassi apresenta ao público cerca de 20 obras inéditas produzidas entre 2016 e 2018. O conjunto de trabalhos reafirma referências plásticas e conceituais da obra do artista, formuladas nos territórios da cidade e da arquitetura. A partir de elementos usados e descartados da construção civil, Sassi cria seu particular vocabulário formal e poético, como na grande instalação Corpo Acomodado (2018), peça central da exposição. Curadoria de Mario Gioia.

Classificação Indicativa: livre.

Entrada franca.

Visitação com hora agendada
Opção de visitação com hora agendada pelo aplicativo "CCBB" (Apple Store e Google Play) e site bb.com.br/cultura ou na bilheteria do CCBB, mediante disponibilidade.


PROGRAMA EDUCATIVO

Local: Térreo

1 a 31 de outubro

Quarta a segunda

O Programa CCBB Educativo  - Arte e Educação desenvolve ações que estimulam experiência, criação, investigação e reflexão através de processos pedagógicos, artísticos e curatoriais. Essas partilhas acontecem por meio de trocas culturais e metodologias de educação que garantem acesso amplo e inclusivo ao patrimônio e sua diversidade.
A programação dialoga com as exposições e demais agendas do Centro Cultural Banco do Brasil. Destina-se a todos os públicos com ações inclusivas e afirmativas para estreitar as relações com a comunidade escolar, educadores, pessoas com deficiência, famílias, organizações não-governamentais, artistas, movimentos sociais, profissionais dos campos da arte e da cultura.
Outubro oferece atividades para a exposição “100 Anos de Athos Bulcão”, em temporada até dia 15 e para 

Esquinas que me atravessa”, em exibição até 22 de outubro.

Consulte a programação completa no site www.ccbbeducativo.com ou na bilheteria.

-------------------------------------------------------

Agendamento de Grupos

O agendamento de grupos pode ser feito pelo telefone (11 3113-3649) ou pelo email ccbbsp.agendamento@gmail.com em visitas que contam com os atendimentos e mediação por educadores.

Classificação indicativa: livre

Entrada franca.

-------------------------------------------------------

TEATRO

Histórias Extraordinárias SP



Local: Teatro

Até 8 de outubro

Quinta, sexta, sábado e segunda, 20h

Domingo, 18h

No ano em que se comemoram os 200 anos da publicação de Frankenstein, de Mary Shelley, “Histórias Extraordinárias SP” apresenta seis clássicos da Literatura Fantástica e de Terror na forma de monólogos, adaptados por dramaturgos do Rio de Janeiro e de São Paulo. O projeto reúne três programas distintos, com a encenação de duas peças por dia: 1)  "A Cor que Caiu do Espaço" e "Frankenstein"; 2)  "O Poço e o Pêndulo" e "Drácula"; e 3)  "A Guerra dos Mundos" e "O Médico e o Monstro”. Autores/ Adaptadores: H.P. Lovecraft/ Beatriz Carolina Gonçalves; Mary Shelley/ Sérgio Roveri; Edgar Allan Poe/ Heloisa Seixas; Bram Stoker Roberto Alvim; H.G. Wells/ Daniela Pereira de Carvalho; e Robert Louis Stevenson/ Roberto Alvim. Intérpretes: Cacá Carvalho, Juliana Galdino e Lavínia Pannunzio.Diretores: José Roberto Jardim e Roberto Alvim.

Duração: 80 min, com 10 min de intervalo

Classificação indicativa: 14 anos

Consulte a programação detalhada no site www.bb.com.br/cultura  ou na bilheteria.


Carmen, a grande pequena notável



Local: Teatro

Até 26 de janeiro 2019

Sábado, 11h

12/10, sexta-feira, 11h - Sessão extra gratuita

Espetáculo musical que conta a história da cantora Carmen Miranda, de sua chegada ao Brasil ainda criança, passando pelas rádios, suas primeiras gravações em disco, pelo cinema brasileiro e o Cassino da Urca, ao estrelato nos filmes de Hollywood. Inspirado no livro homônimo infanto-juvenil de Heloísa Seixas e Julia Romeu, o espetáculo conta e canta para toda a família os 46 anos de vida dessa pequena notável que levou a música e a cultura brasileira para os quatro cantos do mundo. Elenco: Amanda Acosta, Daniela Cury, Fabiano Augusto, Luciana Ramanzini, Maria Bia e Samuel de Assis. Músicos: Betinho Sodré, Maurício Maas, Marco França e Monique Salustiano. Direção Musical: Ricardo Severo. Direção: Kleber Montanheiro

Duração: 70 min

Classificação indicativa: Livre – indicado para maiores de 5 anos


Festival Contemporâneo de Dança de São Paulo

Local: Teatro

12 e 13 de outubro

Sexta e sábado, 17h

14 a 29 de outubro

Sexta, sábado e segunda, 20h

Domingo, 18h

Em sua 11ª edição, o Festival Contemporâneo de Dança de São Paulo traz ao público paulistano 09 trabalhos de artistas da França, Síria, Croácia, Brasil e Portugal. As apresentações ocorrem no Sesc 24 de maio e no CCBB, contando com patrocínio do Banco do Brasil e apoio do Sesc SP, do Instituto Francês de Cultura, Fundação Calouste Gulbenkian - Governo de Portugal.
No CCBB, a programação apresenta os coreógrafos/espetáculos: Ivana Muller (Croácia/França), com o espetáculo infanto-juvenil "Partituur"; Vania Vaneou (França/Brasil), com o espetáculo "Blanc"; Vera Mantero (Portugal), com "uma misteriosa Coisa, disse e.e. cummings", "Talvez ela pudesse dançar primeiro e pensar depois" e “Os Serrenhos do Caldeirão, exercícios em antropologia ficcional”; Leandro de Souza (Brasil), com "Sismos e Volts"; e Nina Santes (França), com "Self Made Men".
Duração, classificação indicativa e programação detalhada: consulte o site www.bb.com.br/cultura  ou a bilheteria.


============================

Bate Papo

Festival Contemporâneo de Dança de São Paulo

1 – Conversa pública com Helena Katz (Brasil) e Vera Mantero (Portugal)

Local: Teatro

21 de outubro

Domingo - imediatamente após a sessão do espetáculo, às 18h.

Helena Katz, crítica de dança por 40 anos nos principais jornais de São Paulo, professora e cocriadora da teoria Corpomídia, realiza uma conversa pública com Vera Mantero (Portugal). 

Classificação indicativa: Livre
Entrada franca, mediante retirada de senha a partir de uma hora antes do início do espetáculo.

2 – Entrevista com Leandro de Souza (Brasil)

Local: Teatro

26 de outubro

Sexta - imediatamente após a sessão do espetáculo, às 20h

Estudantes da Escola Estadual Dr. Américo Marco Antônio, orientados por T. Angel, especialista em modificação corporal, performer e profissional da educação, entrevistam Leandro de Souza (Brasil).

Classificação indicativa: livre
Entrada franca, mediante retirada de senha a partir de uma hora antes do início do espetáculo.

3 – Entrevista com Nina Santes (França)

Local: Teatro

29 de outubro

Segunda - imediatamente após a sessão do espetáculo, às 20h.

Estudantes da Escola Estadual Dr. Américo Marco Antônio, orientados por T. Angel, especialista em modificação corporal, performer e profissional da educação, entrevistam Nina Santes (França)
.
Classificação indicativa: livre

Entrada franca, mediante retirada de senha a partir de uma hora antes do início do espetáculo.



ACESSE TAMBÉM NOSSAS REDES SOCIAIS:
                                                                                                        FACEBOOK: Desconexão Leitura


                                                                                                        INSTAGRAM: @Desconexaoleitura

Mais visitadas

Obrigada pela visita volte sempre!

Outras Postagens