27/11/2017

Crítica: Assassinato no Expresso do Oriente

by on 14:14




No dia 21 de novembro o Desconexão Leitura teve a oportunidade de ver em primeira mão uma das produções mais esperadas para o ano de 2017 e que estreia no Brasil na próxima quinta-feira: “Assassinato no Expresso do Oriente”, nova adaptação de um dos livros mais famosos de Agatha Christie e um dos mais lidos e vendidos de todos os tempos. A história se passa dentro do Orient Express, da Compagnie de Wagon-Lits. Nele, um homem de certa idade é encontrado morto a facadas em seu camarote, nas circunstâncias mais adversas possíveis. Sob o contratempo de uma forte nevasca e um trem paralisado por alguns dias, o famoso detetive belga Hercule Poirot (interpretado por Kenneth Branagh) tem a missão de desvendar esse misterioso e surpreendente caso, que passa por nuances das mais inesperadas possíveis. A versão de 2017 é a quarta adaptação que fazem para o cinema, sendo a primeira de 1974 (com Hercule Poirot sendo interpretado por Albert Finney e vencedora de um Oscar de Atriz Coadjuvante para Ingrid Bergman); a segunda em 2001, com Poirot interpretado por Alfred Molina (e uma tentativa de fazer uma versão “contemporânea” do filme) e por último em 2010, com David Suchet, famoso pelo clássico seriado “Poirot” e provavelmente o mais famoso intérprete do personagem.


Sobre o filme propriamente dito, há muito sobre o que se elogiar. Primeiramente o elenco do filme. Kenneth Branagh, Johnny Depp, Michelle Pfeiffer, Willem Dafoe, Penélope Cruz, entre outros, dão um verdadeiro show de atuação. Cada ator, com personagens mais ou menos atuantes no filme, desempenha com profundidade a essência do seu papel naquilo que cada personagem se encaixa na trama. O filme também é muito bem dirigido, além da fotografia que enche os olhos durante o tempo em que se assiste. Figurinos muito bem feitos, cenários totalmente de acordo com a época e com os lugares que cada cena se passava. Um filme que tem grandes chances de ser premiado em categorias como: ator principal, fotografia e direção.
               
Agatha Christie
 Mas nem tudo são flores. E esse fato reside justamente no problema que adaptações de livros sofrem ao ir para o cinema: correr o risco de perder a essência da ideia original. De fato, isso o filme não o faz, porém o roteiro por muitas (muitas mesmo!) vezes foge do que se passa no livro. É mais do que natural que uma obra de tantos anos – a primeira publicação foi em janeiro de 1934, há quase 84 anos – tenha várias leituras e interpretações diferentes, além da liberdade do roteirista de literalmente adaptar conforme a liberdade que ache necessária e mais interessante para o cinema. Mas, não só para a legião de fãs que Agatha Christie possui até os dias de hoje, mas como para os fãs de grandes obras literárias, os fatos precisam estar na adaptação, seja ela com a liberdade do que for. O diferencial de muitos livros são exatamente alguns.
                Antes de possíveis spoilers (avisaremos quando eles se fizerem presentes), uma observação que logo de cara pode aborrecer um fã do detetive: em todas as obras, Poirot se mostra alguém extremamente preocupado com o seu visual, mantendo sempre o seu bigode meticulosamente simétrico e aparado, além de ter o cabelo e o mesmo bigode tingidos de preto. As caracterizações do detetive ao longo do tempo foram assim:


                Logo, é no mínimo estranho que apareça um Poirot assim:



                Pode parecer a um leigo um mero detalhe, mas para quem acompanhou as obras da autora, é uma grande descaracterização, ainda mais quando a essência meticulosa do detetive se faz presente no filme.
                Sobre o roteiro em especial, algumas falhas que sinceramente são difíceis de compreender o porquê de terem sido feitas (ALERTA DE SPOILERS, COMPARATIVOS COM O LIVRO E ADAPTAÇÃO):
                 - O médico grego (Dr. Constantine), que participa diretamente da elucidação do crime no livro, simplesmente não existe no filme.
                - Greta Olhsson e Antônio Foscarelli são suprimidos do filme também. Em seus respectivos lugares entram Pilar Estravados (representada por Penélope Cruz, e que na verdade faz parte de uma outra obra de Agatha, chamada “O Natal de Poirot”) e Javier Márquez (interpretado por Manuel Garcia-Rulfo). Apesar de as características dos personagens serem mantidas, a substituição é feita para se fazer uma crítica sobre o preconceito com imigrantes. Válida a crítica, mas não era necessário alterar a ideia do autor.
                - Outro caso emblemático sobre os personagens, foi o Coronel Arbuthnot. No original, Arbuthnot era um militar inglês clássico, com considerável aversão a estrangeiros. No filme, é um homem negro, médico e que sofre com racismo durante parte de sua vida. Novamente, excelente à crítica ao racismo, mas não precisava alterar tanto um personagem assim.
                - Poirot é um homem de idade mais avançada e com ligeira dificuldade pra andar por um pequeno problema na perna. No filme, participa de uma perseguição na neve que não faz muito sentido.
                - A narrativa se passa basicamente dentro do trem, com interrogatórios sendo feitos no interior do carro-restaurante. No filme, algumas delas chegam a se dar fora do trem.
                - Aliás, o lado de fora do trem ambienta erroneamente dois momentos cruciais do filme: a descoberta da identidade de Ratchett, onde além do mais utilizam uma caixa de chapéus que dada pela equipe que veio cuidar da nevasca, algo absolutamente sem sentido, já que pertencia originalmente a uma das passageiras. E culmina na revelação dos fatos fora do trem, no meio da nevasca.
                - E sobre a última cena, a revelação dos fatos há contornos dramáticos exagerados. Sem dúvida é o momento de mais emoção da obra, mas houve um exagero desnecessário, principalmente no comportamento de Poirot e Mrs. Hubbard, o que contrasta muito com o original.
                - Mrs. Hubbard sendo apunhalada, Coronel Arbuthnot atirando em Poirot, Hector MacQueen baixo, gordo e muito atormentado, depoimentos sendo feitos aleatoriamente sem a ordem e o método de costumes, debate da lista de enigmas com um dos suspeitos, um trem que descarrila em vez de simplesmente ser bloqueado pela neve: o filme é muito dramático por muitas vezes.
(FIM DOS SPOILERS)
Algumas edições do livro publicadas no Brasil ao longo dos anos

       Sem dúvidas, a radical mudança do filme é no que podemos chamar de “Método Agatha Christie de ser”: seu detetive belga em histórias com tramas baseadas em modelos engenhosamente calculados e não por descobertas emocionantes e aventureiras. Em suma, o filme é muito interessante, principalmente pela contextualização com os problemas sociais que hoje são tão debatidos (racismo, xenofobia, machismo, etc.) e que na época eram coisas simplesmente “normais”. Mas exagera em muitas coisas, ainda que seja uma adaptação.

                É altamente recomendável ir assistir, mas para os fãs inveterados da autora, um pequeno aviso: vão com calma! Mas muita calma mesmo!
                 Ficou curioso veja os trailer no link: Trailer 1 Trailer 2



Agradecemos a Aliança de Blogueiros do Rio de Janeiro e distribuidora do Fox Filmes pela oportunidade de assistir este filme.




Escrito por Luis Carlos de Souza

02/11/2017

Vivo Rio traz aos palcos carioca Megadeth e Joey Jordison em sua nova banda Vimic

by on 20:12
Performance do Megadeth. David Ellefson a esquerda, Kiko Loureiro a direita e Dirk Verbeuren ao fundo na bateria. 
O Heavy Metal é um gênero da música oriundo do rock clássico, trazendo peso e energias únicas em suas letra e composições em suas diferentes bandas. Devido a isso muitos subgêneros foram criados, cada com um com seu aspecto único. Nisto temos o Thrash Metal, ou Metal Agressivo, em tradução livre, no qual o uso de letras únicas, técnicas e arranjos complexos, grande peso e velocidade, gerou grandes nomes no mainstream. E esse mês a equipe do Desconexão Leitura teve a oportunidade de conferir a performance de um dos grandes nomes do thrash: O Megadeth. Referência internacional do gênero, a banda finaliza sua turnê na América do Sul de promoção de seu último album, Dystopia, fazendo duas passagens no Brasil, acompanhados da banda estreante, Vimic. A primeira ocorreu no dia 31 de Outubro em São Paulo, e a segunda no dia 1° de Novembro de 2017, no Rio de Janeiro, onde acompanhamos o show no Vivo Rio.

Performance do Vimic. Kalen Chase a esquerda, em seguida, Steve Marshall e Jed Simon na guitarra e ao fundo, na bateria, Joey Jordison
Banda Vimic:

Criada pelo ex-baterista do SlipknotJoey Jordison e com apenas um ano de existência, a banda norte-americana Vimic surge no cenário do Heavy metal, com ótima construção técnica, trazendo canções que grudam na sua cabeça como “My fate” e “Simple Skeletons”, demonstrando vocais brutos, riffs e solos pesados além da percussão excelente de Joey, mostrando sua recuperação após um longo período de recuperação de uma doença grave neurológica.
A banda é composta pelo baterista Joey Jordison (ex-Slipknot e ex-Scar the Martyr), nos vocais Kalen Chase Musmecci (ex-Korn), e ex membros do projeto Scar The Martyr: Jed Simon na guitarra, no baixo Kyle Konkiel  e Matt Tarach no teclado e, finalmente o reforço Steve Marshall (ex-Soulbleed) também na guitarra.

Kalen Chase saudando o público brasileiro.

Em sua performance, O Vimic mostrou um som agressivo e polido, animando o público com “Simple Skeletons” e “She sees everything”, presentes em seu primeiro álbum a estrear em breve. E aqueles que conheciam o Scar the Martyr performaram algumas músicas da antiga banda como “Dark Ages”. Mesmo tendo um som ótimo, no início do show foi percebido um pouco de distorção nos graves, provavelmente causado na equalização, porém isso duro por pouco tempo. Mesmo com este problema a banda entregou um excelente trabalho, onde podíamos sentir sua dedicação e energia, surpreendendo o público.

Dave Mustaine, frontman do Megadeth durante um solo.
Banda Megadeth:

Criado por Dave Mustaine e David Ellefson nos meados dos anos 1980, a banda norte-americana Megadeth, ícone do Thrash Metal e componente do Big four americano é influência de vários cantores e compositores de diferentes subgêneros do Heavy Metal, trazendo letras críticas sobre a sociedade, política e vícios e outros, mostrando sempre um peso e enorme qualidade técnica em suas composições, como “Hangar 18”, na qual apresenta 15 solos de guitarra, ou “Tornando of Souls” a qual apresenta um dos melhores solos de guitarra da história do Heavy Metal. Em seu novo álbum “Dystopia”, temos uma renovação de sua qualidade técnica, esperado por muitos fãs que desejavam composições de qualidade semelhantes ao álbum “Rust in Peace”, uma obra-prima da trajetória da banda.
Em seu show a banda demonstrou ao que veio, entregando elevada qualidade técnica, que se espera de seus integrantes, com ponto alto na performance de Kiko Loreiro, ex-Angra, o qual representou a habilidade, recurso e capacidade do músico brasileiro, sendo ovacionado no show. Além disso temos as performances de Ellefson e Mustaine que conduziram e entregaram um trabalho excepcional, e seu baterista Dirk Verbeuren mantendo o grupo coeso e pesado como sempre deve ser.
 A setlist foi muito bem escolhida trazendo inicialmente “Hangar 18”, “The Treat Is Real” e “Wake Up Dead”, encerrando com “Holy Wars... The Punishment Is Due”. E por fim, temos a performance do mascote da banda completando a cereja do bolo.

Momento emocionante do show do Megadeth em que Kiko Loureiro (esquerda) e Dave Mustaine (direita) realizam solo juntos. 

Sobre a Casa Vivo Rio:

A ideia da casa de trazer estas atrações foi magnífica, reforçando e revitalizando a dose necessária de Heavy Metal para os fãs do estilo. Contando com uma ótima segurança, muito bem preparada, pronta para lidar com situações fora do comum, sem gerar nenhum mal-estar para o cliente, a casa mostrou além disso com ótima limpeza e fácil acesso a banheiros e a bebidas. Contudo, pecou um pouco quanto ao som, devido a algumas músicas em que alguns instrumentos não sobressaírem bem devido a questão de equalização ou parecer “estourado” algumas músicas de abertura. Mas foi corrigido nas músicas seguintes das bandas.


30/10/2017

SEXY FAIR 2017 – A FEIRA MAIS QUENTE DO RIO

by on 14:53


De 31 de Outubro a 05 de Novembro, o Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro, vai receber, pela segunda vez esse ano, o maior evento erótico do Brasil, a Sexy Fair. Mais de 40 mil visitantes são aguardados no local para se divertir e conhecer o que há de mais novo em produtos desenvolvidos para apimentar os relacionamentos.



PALESTRAS E DEBATES
Com o objetivo de levar entretenimento, diversão e informação, a Sexy Fair vai contar com palestras e um fórum de debates sobre temas que envolvem a sexualidade em geral. Serão mais de 40 palestrantes de todo o Brasil.

BRINCADEIRAS
Os visitantes também vão poder conferir diversas atrações como, por exemplo, shows de strippers, o Castelo do Fetiche, Show de Tequileiros e muita gente bonita e sensual para deixar a galera subindo pelas paredes.



BOATE SEXY FAIR
Todos os dias, das 23h até às 3:30h, a temperatura vai subir na Boate Sexy Fair com os maiores nomes do funk e DJ’s da Rádio Fanática FM marcando presença. Confira a agenda:

31/10 - Terça - Valeska
01/11 - Quarta – Mc Sapão
02/11 – Quinta – Mc Sabrina / Mc Koringa
03/11 – Sexta – Mc Serginho / Soul + Samba
04/11 - Sábado – Perla e a Gaiola das Gostosudas
05/11 - Domingo – Mc Marcinho

STAND UP COMEDY
Nesta edição da Sexy Fair, a galera vai poder dar muita risada com stand ups de comediantes. Na terça (31/10), a galera do Pop Bola, da Rádio Globo, se apresenta. Rey Biannchi será a atração de quarta, dia 1º de Novembro. Na quinta (02/11), será a vez do trio Comédia 3D. Felipe
Absalão se apresenta na sexta (03/11). No sábado (04/11), a atração será Marcos Castro. No último dia dessa segunda edição da Sexy Fair, domingo (05/11), será a vez de Nelson Freitas. Os shows foram idealizados por Nizo Neto, que é filho do saudoso comediante Chico Anysio, e também estará com um estande no evento, representando a linha de lubrificantes íntimos ‘Vem Transar’. Vale a pena conferir!

CONCURSOS
Garota Sexy Fair 2017 No dia 1º de Novembro (quarta), em concurso realizado pela Exitus
Propaganda e pelo site Sexo com Café, será eleita a Garota Sexy Fair 2017. O evento tem como objetivo escolher, anualmente, uma representante da beleza, carisma, e toda a sensualidade que a Sexy Fair promove.
Pole Classique
Com organização do Pole Fit Studio, no dia 03 de Novembro (sexta),
acontece o Concurso Pole Classique. No total, entre as 4 categorias do concurso, serão distribuídos 5 mil reais em prêmios.

O EVENTO
A Sexy Fair tem uma proposta de evento sem pornografia e é uma feira técnica, onde os fabricantes e/ou lojistas podem vender no atacado e no varejo, fazendo relacionamento com distribuidores e consumidores em geral.
A feira é um festival de entretenimento. Vai ser difícil resistir às atrações.

SERVIÇO:
Sexy Fair 2017 – a feira mais quente do Rio
Local: Centro de Convenções Sul América
Endereço: Av: Paulo de Frontin, 1 - Cidade Nova – Centro – Rio de Janeiro – RJ
Horário de Funcionamento:
Feira - Todos os dias das 16h às 0h
Boate – Diariamente - das 23h às 03:30h.
Realização: Exitus Propaganda
Ingressos à venda no site:: clique aqui         
Valores: (primeiro lote ingressos populares dias 31/10, 01/11 e 05/11 = R$
21 reais e dias 02, 03 e 04/11 = R$ 28 reais)
Estacionamento: R$ 20 reais (durante o horário do evento)





28/10/2017

Resenha: "Relíquia - Caminhos de um templo egípcio" - Gustavo Drago

by on 17:43

O livro conta a saga da expedição em busca da pedra mística Aldheron, em que foi uma tarefa árdua para comprovar a veracidade de sua existência.
Nesta expedição Andreia, uma arqueóloga e pesquisadora, mostra sua garra em não desistir da tarefa de encontrar a pedra. Junto com seu seu amigo Nicholas, e sua filha Jennifer, saem juntos na incrível jornada em busca de Aldheron.

De maneira geral o livro possui uma ideia de uma aventura hollywoodiano. A capa transmite a uma incrível aventura, regada de muito suspense e calafrios...todos os indícios de uma aventura baseada em Indiana Jones. Além disso, devo resaltar que a impressão, as ilustrações e todas as demais informações contidas no livro aguçam a curiosidade, vontade de devorar o livro e vivenciar todas as emoções narradas pelos personagens, porém ao meu ver se estendeu muito os acontecimentos na história.


O maior destaque da trama é a personagem Andreia, por ser uma mulher forte e inteligente, sem contar com as ilustrações dos labirintos, as posições no mapa que nos deixam imaginar mais ainda as cenas,são lindas e detalhadas!!!

Minha expectativa foi deixada um pouco de lado até mais da metade do livro, estava aguardando ansiosamente pelas aventuras em séries, que custarão um pouco a chegar, fazendo a leitura ficar um pouco monótona. Não imaginei ler tantas cenas de paixão e frenesie romântico, queria mais cenas de correria, sustos e medo, tradicionais de uma história de aventura.

Os primeiros sinais de aventuras foram fracos, devido o foco no envolvimento amoroso dos personagem secundários. Já as boas cenas de aventura foram curtas e sem riqueza de detalhes para o tamanho da minha curiosidade e lado aventureira. Mas nada que não me permita ler o segundo volume, que já estou aguardando ansiosamente.

Vamos ao volume II para saber o que Jen tem haver com todo o enredo e saber se foi desvendada, por que a curiosidade e a vontade de me aventurar falam mais alto!



26/10/2017

Crítica: Bom comportamento - a evolução do ídolo Robert Pattinson como ator

by on 15:27



Como ídolo adolescente dos fás de crepúsculo Robert Pattinson se destacou com o personagem de Edward Cullen, mas desde então nunca mais vi nenhum filme dele, o que foi surpreendente vê sua atuação em um personagem tão intenso e completamente fora dos padrões de galã. Nesse filme ele é o jovem Connie Nikas.

Cena do filme, Connie em fulga (figurino super adequado para um fugitivo não acham?)
Connie Nikas é um jovem delinquente que assaltou um banco junto com seu irmão Nick Nikas, só que o roubo foi mal sucedido e Nick vai preso. A parti disso, Connie se ver em uma incrível jornada para conseguir libertar seu irmão da prisão e fugir da polícia já que está sendo procurado pela justiça.
É um filme intenso de drama familiar, fuga da policia, drogas e personagens psicologicamente perturbados.
Já tem algum tempo que não me surpreendo com a intensidade de um filme, mas Bom Comportamento é esse tipo de filme que te deixa sem ar a cada fuga ou até mesmo te põem em guerra com seus princípios morais. Como julgar um irmão que apesar de todos os erros é capaz de tudo para livrar-lo da cadeia?

Segunda etapa do filme Robert com cabelos louros e completamente diferente do nosso Querido Cullen...
O filme se passa em 24 quatro horas e nessas horas o protagonista consegue se meter nas mais variadas roubadas possíveis.
Os personagens que mais me chamaram atenção devido a atuação dos atores foi o da  Jennifer Jason Leigh como Corey e Ben Safdie como Nick Nikas. Ambos souberam dar uma veracidade aos seus personagens que me peguei pensando se algum deles já passou ou conviveu com alguém próximo com aquele perfil...
Todo o figurino está de acordo com a temática do filme em nenhum momento vi algo que não combinava, as jogadas de câmera e a falta de foco em algumas cenas deram um aumento na dramaticidade do protagonista.
Como uma pessoa curiosa comecei a fazer uma pesquisa sobre o filme, nela achei interessante Robert Pattinson dizer em entrevista ao site francês Paris Match que:

"- Eu posso ser um maniaco depressivo como meu personagem."

Pensando nesse comentário após ter visto o filme consigo plenamente acreditar nessa afirmação do ator. Além desse trecho da entrevista Robert fala que teve um tempo de imersão nas ruas, em que se ele não conseguisse de reconhecido nas ruas confirmava a veracidade da sua atuação.
É extremamente notável que o ator britânico, amadureceu sua atuação ao longo das tramas cinematográfica. O ator de 19 anos, engessado que atuou em Harry Potter como Cedrico e estourou como galã vampiro de toda uma legião de fãs da Saga Twilight  finalmente mostrou que não é só um rostinho bonito. Já que em Bom Comportamento ele abdicou de toda sua vaidade para ser o Connie Nilkas.
Não perca a oportunidade de conhecer esse filme, me diga sua opinião e o que você achou.

Ficou curioso veja os traillers: Trailler 1 e Trailler 2

23/10/2017

BGS: Confira o que rolou na 10º edição.

by on 17:28

   Minha intenção era ser formal e madura nesse post mas infelizmente hoje não vai rolar! (Risos)
   Formalidade é algo que não consegui ter quando recebi em uma manhã a confirmação da credencial e pulei pela casa feito pipoca. Desde que comecei a me interessar pelo universo geek a BGS se tornou mais que um desejo e sim, uma meta.

   Alguns anos atrás meu irmão foi em uma edição da BGS, que aconteceu aqui no RJ e lembro como se fosse ontem, ele me mostrando o vídeo da grande novidade daquele edição: o famoso DRONE. Vou ser bem sincera, era horrível, barulhento, gigantesco... Hoje em dia ele cabe na nossa mochila, alguns modelos até na palma da mão, da pra acreditar? Sendo assim, sabia que tudo que me surpreendesse e fosse novidade seria acessível daqui alguns meses.

    Nesse clima de nostalgia que venho contar tudo que rolou de mais incrível nesta 10º edição.

    A BGS(Brasil Game Show) é o maior eventos de games da América Latina e nesta edição, ocorreu entre os dias 11 a 15 de outubro no Expo Center Norte em São Paulo, foram dois pavilhões que contavam com standes de marcas famosas como Playstation e Xbox, lojas vendendo produtos exclusivos, área de jogos, etc.



   Quero destacar aqui e parabenizar o estande da playstation que trouxe uma grande variedade de produtores/criadores de jogos. Em um desses encontros eu tive o prazer de conhecer o produtor Damion Pinnock, que fez uma demostração de Detroit-Become Human e contou com ajuda da platéia. Detroit é um excelente jogo e pretendo dedicar um post só pra ele.
   Falando em lançamentos, os jogos que me chamaram atenção foi "Call Of Duty-WWII" e "FIFA 18", no quesito jogabilidade não teve muita novidade, mas os gráficos como sempre se superaram. Um que não é novidade mas que testei pela primeira vez no evento foi "Injustice 2", se você gostou do primeiro, irá amar o segundo sem dúvidas. 

    O forte desta edição foram os jogos de realidade virtual. Testei "F1-2017", e foi uma experiência incrível. Era também minha primeira vez jogando algo em realidade virtual.

   Uma novidade que me deixou imensamente feliz é a de que o público feminino está cada vez maior, e isso é visível não só no evento como também nos números. Segundo Marcelo Tavares (idealizador e CEO da BGS) o público feminino esse ano foi de 35%, e a tendência é só aumentar.


 Os grandes convidados foram Nolan Bushnell(fundador da Atari) e Hideo Kojima, ambos participaram do meet&greet, fizeram painéis, foram premiados e viraram jurados no concurso de cosplay.

   E como todo evento de game não pode faltar, rolou a BGC(Brasil Game Cup) e teve campeonatos de Dota 2, Clash Royale, Lol(League of Legends) e CS(Counter Strike) feminino e masculino.


   E ai, gostaram? Nos vemos em 2018! 

21/10/2017

Campeonato Sul-Americano de Heavy Metal Machines-Final

by on 18:36

Neste domingo, 22/10, às 17h30, acontece a final do primeiro campeonato Sul-Americano de Heavy Metal Machines, o jogo multiplayer online de batalha de carros free-to-play da Hoplon que já está disponível em beta aberto no Steam. A equipe brasileira Zony Gaming fez a melhor campanha do torneio até aqui e aguarda pelo vencedor do lower bracket para conhecer seu adversário na partida que definirá o título. O embate semifinal, no estilo “melhor de 3”, será entre os também brasileiros WarLive eSports e W0LF TEAM e acontecerá no mesmo dia da final (22).

Dos R$12.500 da premiação total, o time campeão receberá R$4.375 e o segundo colocado de R$3.125. Todos os integrantes das duas melhores equipes da competição também serão premiados com headsets Razer Kraken e camisetas personalizadas com o nome da equipe. Além disso, os grandes vencedores ganharão a skin Simply the Best, do personagem Black Lotus, que presta homenagem ao automobilismo mundial com uma arte inspirada em um dos carros mais emblemáticos do esporte.

O campeonato Sul-Americano de Heavy Metal Machines é uma parceria entre a Hoplon, a UNIVALI e a Start Play, e as disputas da final serão transmitidas ao vivo pelo YouTube e Facebook do canal Esporte Interativo, em português, e pelo Facebook, Twitch e VK de Heavy Metal Machines, em inglês.

Heavy Metal Machines já está disponível em versão beta no Steam e pode ser baixado de graça em https://goo.gl/G13rmR. O game estreou oficialmente no cenário competitivo dos esportes eletrônicos em julho, quando foi realizado o Heavy Metal Machines European Championship, torneio online com servidores baseados na Europa e vencido pelos russos do time Kvasdopil.

Mais visitadas

Obrigada pela visita volte sempre!

Outras Postagens